A hidradenite é um processo inflamatório que afeta as glândulas sudoríparas localizadas principalmente nas axilas, regiões perianal, das virilhas e pubiana e no entorno dos mamilos. A causa disso é uma predisposição pessoal, que pode ser agravada por infecções no local.

As causas da hidradenite não estão estabelecidas, mas considera-se a doença uma resposta autoinflamatória, que provoca uma resposta exagerada que danifica a pele. A doença é mais frequente nas mulheres.

Hidradenite

Sinais e sintomas

A hidradenite se manifesta na forma de um nódulo doloroso, de coloração avermelhada. Esse nódulo pode ter tamanhos e níveis de inflamação diferentes e produzir dores de intensidades distintas. Os nódulos podem formar “túneis”, que se unem em uma placa endurecida, com grande inflamação e muita dor.

Fatores de risco
O principal fator de risco da hidradenite é a predisposição genética e o histórico familiar. Alguns hábitos favorecem o surgimento da doença, como o tabagismo e a obesidade.

Tratamento

Em geral, o surgimento e o agravamento da hidradenite estão associados à obstrução folicular. Por isso, para que não haja predisposição à doença, deve-se evitar o uso de desodorantes antitranspirantes, a depilação e raspar excessivamente os pelos com lâminas de barbear.

Para o tratamento, são ministrados antibióticos locais e sistêmicos. Em casos mais graves, de lesões maiores, em geral bastante dolorosas, pode ser feita a drenagem. Isso facilita a saída da secreção acumulada e alivia a dor do paciente.

Em casos recorrentes de hidradenite, é possível realizar intervenção cirúrgica, removendo as glândulas sudoríparas da região afetada. O uso de imunobiológicos também está sendo estudado, com boa resposta para os casos mais graves.